Inspirar-Poesia, um segundo sopro

a mantilha das frutas

Por Sueli Maia (Mai) em 9/28/2009

Benditas sejam todas as frutas. Cheirosas, gostosas, maduras ou de vez. E olha a fruta! Gritava sorridente a pregoeira a pregoar. Pois ainda haverá dia de aceitar que existe também um espaço sagrado às frutas de todo lugar. Frutas do mundo inteiro. Deliciosas as frutas e os frutos benditos de todas as castanheiras. Rua das castanholas sem número. Ali era um lugar ou apenas uma rua onde eu tinha meu banco de feira. Feira tão cheia de gente que mais parecia uma cidade a fervilhar, uma rua de gente a ferver. Falar do que é bom e bonito e olha que fruta bonita! Dulcíssima, quer provar? Porque quando por fim se compreende o prazer de provar uma fruta, longe é perto prá de novo se querer provar outros tantos frutos e frutas há que se provar e bons frutos há, oh se há! Olha a fruta bendita e bendito é esse meu tabuleiro de vender porque aqui é o espaço sagrado das frutas, rua das frutas e há frutas em todas as ruas, em todo lugar. E há frutas em janelas a esperar e em muitas cidades há casas de porta e janela. Janelas sonoras, rua das castanholas e sob elas crianças a brincar, castanholas de jogar e bater nas janelas coloridas a bater e depois abrir. Longe ou perto dali há frutas cobertas com véu e mantilhas. Missal de pregoeira a pregoar a beleza das frutas porque em tudo há beleza. E benditas sejam todas as frutas e frutos que daquela e de outras ruas cheirosas, são benditos e bonitos de se ver.
.
música: Marisa Monte - Give me life
.

31 comentários:

Elcio Tuiribepi disse... @ 28 de setembro de 2009 15:16

Fruto, fruta, lembra um pé de verseiro, lembram palavras sonoras, lembra uma cidade talvez e um passeio bem perto do céu...Paraíso das frutas, cheirosas, docinhas...bom mesmo é roubar do pé, com os pés descalços a sentir o vento, com os olhos quase salivando de tanta vontade que dá...um abraço na alma...bjo

Adriana Karnal disse... @ 28 de setembro de 2009 16:27

delicioso ler esse texto...

Felipe da Costa Marques disse... @ 28 de setembro de 2009 17:13

Que prosa poética mais saborosa...

Beijos e

vou ali comer uma fruta. Salivas

tonhOliveira disse... @ 28 de setembro de 2009 17:51

Uma bela salada de frutas
nestes versos suculentos...
Deu água na boca...
Bem dito o texto!

Beij♥s!

Lara Amaral disse... @ 28 de setembro de 2009 17:52

Na minha feira, as frutas amadureceram rápido, mas não tenho cestas para carregá-las.

Grande abraço para vc, Mai!

sidnei olívio disse... @ 28 de setembro de 2009 19:11

Que beleza de texto, Mai. Quando criança adorava o jambo, que comia no próprio pé... tinha o gosto do cheiro da rosa. Beijos, amiga.

Abraão Vitoriano disse... @ 28 de setembro de 2009 19:29

sim,
frutas curam
e são fontes de amor: morangos e uvas...

um beijo,
e leve estou por ser de você...

do seu menino-homem-vivendo-mais-o-presente...!

Letícia disse... @ 28 de setembro de 2009 23:44

Bem musical, Mai. Tô aqui ouvindo Strauss e a melodia combinou com o texto.

Beijo. =)

Germano Xavier disse... @ 29 de setembro de 2009 02:43

Benditas sejam os frutos das frutas. E também o inverso.

Você anda cantando o simples da vida, Mai. Cante cá que eu canto lá...

Sigamos...

Oliver Pickwick disse... @ 29 de setembro de 2009 07:43

Aromas, sabores. Este post é um pomar. Frutuosamente, inventou a poesia frutífera.
Um beijo!

Everson Russo disse... @ 29 de setembro de 2009 09:07

Frutos, vidas, desde o paraiso já são cultuados, palavras, frutos das poesias, essenciais e necessarias...beijos querida e um belo dia pra ti.

Éverton Vidal Azevedo disse... @ 29 de setembro de 2009 14:01

As frutas têm um lugar sagrado, elas viram saudade. Eu tou aqui morrendo de saudade dos sabores da minha terra, do meu povo, e com saudade de outras frutas também, estas que entram na nossa vida e depois escapam deixando só o sabor - que às vezes nem é tao doce.

Bj Mai.

paula barros disse... @ 29 de setembro de 2009 15:08

Oi, Mai

Lembrei muito de vc em Búzios.
-------------------------------

Existe frutas e frutos. E a quem dá belo frutos.

E seu texto tem gosto, tem cheiro, tem beleza.

beijo

Mirse Maria disse... @ 29 de setembro de 2009 15:54

Oi Mai!

Delicioso texto! Bendito fruto e todas as frutas, desde que não se personalizem em mulher melancia etc...

Amei

Beijos

Mirse

Bezerra Guimarães disse... @ 29 de setembro de 2009 17:08

"Benditas sejam todas as frutas."


Linda prosa... Tão linda quanto saborosa.

Beijinhos e muito obg pela visita.

Sim... Meu nome é Ryanny.

Ricardo Valente disse... @ 29 de setembro de 2009 20:31

Frutas... as melhores são as suculentas... as escondidas...
Gostei das frutas!

Wania disse... @ 29 de setembro de 2009 21:19

Oi, Mai

Lindo texto...sonoro, rápido e delicioso! Quando lido em voz alta as palavras soam lindamente no mesmo ritmo de grande feira!

Muito bonito teu Inspirar-Poesia, parabéns!

Voltarei mais vezes,
Bjs

Abraão Vitoriano disse... @ 30 de setembro de 2009 00:37

de tu
um saudade tamanha...

beijos,
e flor e amor e chama

do todo teu menino-homem-leve

Ilaine disse... @ 30 de setembro de 2009 04:53

Morro de vontade de comer quiabos, ameixas, jabuticabas e caquis. A saliva corre em minha boca como uma vertente quando lembro desses sabores. Frutas temperadas com a vitalidade dos sucos melados que escorriam por meus braços de criança. Lambuzáva-me com o doce da polpa.

Que texto! Que lembranças desperta. E a feira...

Beijo

Vivian disse... @ 30 de setembro de 2009 10:08

...fruta cai bem em qqr hora
em qqr momento ou ocasião.
e algumas delas caem melhor
ainda na cama de grandes
prazeres...

sorry linda.

naveguei no sabor do seu pomar!!

nina rizzi disse... @ 30 de setembro de 2009 17:10

gosto de mamão com banana, açai e granola... rsrsrs...

gostoso mesmo.
um beijo e boa semana.

Zélia disse... @ 30 de setembro de 2009 18:38

Voltei!

Ainda em tempo de dizer que as frutas alegram meus dias desde ontem, especialmente. Não vivo sem elas. Ontem, comentava como sofri ao ver derrubados um pé de pinha (uma de minhas frutas preferidas) e um pé de caju (de cajus enormes e lindos) dos quais cuidei. Sentimento de quem perde algo valioso. Hoje, fazia um suco de tangerina (outra fruta que amo) e o cheiro das tangerinas me levaram de volta à minha infância e troxeram o gosto daquela "garrafinha" (como se chama por aqui um tipo de picolé dentro de uma garrafinha) tomada na praia e uma certa sensação de felicidade ao lembrar da cor laranja escorrendo entre meus dedos. Ô coisa boa!!!

Bom resto de semana pra vc e a gente se cruza.

Bjo! ;)

Simples Assim... disse... @ 30 de setembro de 2009 20:01

Lendo seu post fui pensando em como a vida é simples. Simples, colorida, doce, bonita. Ela está aí, dá em pencas, se oferece a nós em cada esquina, seja num tabuleiro, seja numa árvore frondosa. Mas a vida também pode ser azeda, pode soltar cica que nos incomoda o céu da boca, pode ter bicho dentro. Mas a escolha é toda nossa. Há um mundo inteiro de opções, cada um vai escolhendo conforme seu paladar aconselhar. Eu, pessoalmente, gosto de laranja azeda com sal. Parece estranho. E é mesmo. Mas eu gosto. Me agradam gostos fortes. A vida não é só rosa de bolinha branca, né? A vida é variedade.

Obrigada, amiga, pela preocupação, te mandei um e-mail contando mais ou menos o que está acontecendo. Não se preocupe, estou bem, não tenho muita paciência pra dramalhões... rs. Bjs.

Nydia Bonetti disse... @ 30 de setembro de 2009 20:08

Mai

Teu texto me fez lembrar um poema meu, que acho que nunca postei:

Madura

por favor
me colha
- já estou madura
quero alimentar
e espalhar sementes
- quero ser doçura
não me deixe assim
apodrecer no pé

Disse a fruta, não eu. :))

Adorei teu blog. Estarei por aqui.

Beijos.

disse... @ 30 de setembro de 2009 20:23

O sumo no copo...
doce e o sabor mágico de um verso
beijinho

@philipsouza disse... @ 1 de outubro de 2009 01:09

to lendo e relendo para busca um pq....gosteiii

abraçao

Osvaldo disse... @ 1 de outubro de 2009 03:36

Mai;

E porque há perdão para os pecados, assim se vão provando e comendo frutas. Frutas da terra, frutas da rua, frutas da feira, frutas do Mundo, porque as frutas podem mudar de forma e feitio, podem mudar de cor e de nome, podem mudar de tamanho, podem-se apanhar frescas ainda no pé ou deitadas, por vezes refusadas, no chão, mas quando o gosto se mantém e o aroma e o prazer de "trincar" estão presentes, a fruta é sempre a doce fruta, verde ou madura que regala os olhos de quem tem dentes para a comer...

Como sempre, Mai, tuas crónicas são um colírio para quem tem o prazer de as ler.
bvjs,
Osvaldo

Mário Lopes disse... @ 1 de outubro de 2009 13:30

Lindíssima poesia em prosa em que um caleidoscópio de cores, sabores e cheiros frutificam nos nossos sentidos, embriagando-os, mas não impedindo que os sons, as vozes e os pregões nos inundem e nos levem, momentaneamente, às feiras da nossa infância, tal é a sugestividade rica de matizes apeladores de memórias antigas. Pelos sons, pelos cheiros, pelos sabores, pelas cores, amadurecidos pela sua sensibilidade delicada, apetece dizer: bendita árvore que tais frutos dá! Nós, pela nossa parte, tudo faremos por os merecer
colher. Eu, pela minha parte, peço desde já, a sua permissão.

Belíssimo este seu quadro impressionista. Parabéns!

Multiolhares disse... @ 1 de outubro de 2009 15:30

Ao ler o que escreveste fui enviada para a minha meninice, quando chegava a primavera o sol voltava os campos ficavam floridos e com um aroma diferente e a fruta que era da época fresquinha de muitas cores e o seu cheiro inebriante, era assim que a estação para mim mudava
beijinhos

Cris Animal disse... @ 1 de outubro de 2009 19:32

Uma homenagem a mãe natureza....rs

Gaia agradece!

Lindo, Mai !

beijo

Úrsula Avner disse... @ 1 de outubro de 2009 20:42

Oi Mai,

obrigada pelo carinho em meu cantinho. Seu texto é um mimo ! Bj.

Postar um comentário

 

Seguidores

Links Inspirados