Inspirar-Poesia, um segundo sopro

deleites - sabores das línguas

Por Sueli Maia (Mai) em 11/18/2009
.
Ocultos pecados capitais. Pequenos delitos culinários são deleites das línguas e tudo é pura sedução. Imagine. A frigideira é uma cama com pedacinhos de manteiga a derreter. Quente. E a manteiga escorrega lentamente até dourar em fina espuma. Nus. São filés de trutas banhadas por mãos em fio de água pura e corrente. Rente a frágil carne está aqui em minhas mãos e suavemente aperto os filés. Água a escoar sem descuidar de deixar húmidos os filés. E hoje salivam aqui, os deleites de trutas. Nada mais que deitar filés em cama doura de manteiga e depois salpicar-lhes sabores a gosto. Pares. Virar-lhe o dorso quando tudo soltar livremente. Perfeito! E neste lado novamente deixar ficar. Reservar e agora o deleite. É um molho de queijo que serve como base a tudo. Hummm... Banhos de leite com fio de azeite são brancos lençóis madrigais e o leite se incorpa aos queijos. Cream Cheese. Poeira de noz moscada no ar, aroma dos deuses e agora é mexer lentamente. Rebolar os pedaços de queijo, requeijão no leite com creme de leite sem soro e tudo dança que dança, até engrossar com colheres de fina farinha de mesa. Mandioca é gostosura natural que entra na dança enquanto o mundo gira na panela com queijos ralados na hora. Sabores das línguas, e acrescente o que quiser, como alcaparras, castanhas piladas, salmão e jogue tudo por cima. Lençóis em delícias. E ali sobre a mesa, bocas, filés e aromas e trutas em puro deleite. Amores à mesa e hummm... Mas Shhhh...agora imagine o seu.
.

36 comentários:

Caio Fernandes disse... @ 18 de novembro de 2009 14:08

acabei de almoçar e sou vegan ... ainda assim estou perdendo o controle aqui mulher ...
por que voce escreve tao bem ?
nao sei se assalto a geladeira ou se ligo para alguma amiga pra dar uma derretida .

tossan® disse... @ 18 de novembro de 2009 14:15

Mai, você me deixou com fome depois de almoçar. Disse alguém que quem souber preparar uma truta, está pronto para enfrentar o que der vier, principalmente fazer um texto magistral e simbólico como este. Por favor a minha truta sem noz-moscada e nada de baunilha na sobremesa viu? Beijo

Marcelo Mayer disse... @ 18 de novembro de 2009 16:09

digestão poética! vc é foda!

Vivian disse... @ 18 de novembro de 2009 16:50

...aimeudeusdocéééérr, mulher!!!


já viu orgasmo de língua?


pois é...

rsrsrs

Mai eu adoro você,
mas isso não se faz
com uma pobre senhora...

muahhhhhhh

Mirse Maria disse... @ 18 de novembro de 2009 17:46

Nossa Mai!

Que bom seria se eu pudesse!

Que delícia de texto! Dá até para sentir o cheiro....

Hummmmmmmmmmmmmm!




Beijos

Mirse

P.S. Há um recado para você da Nydia no Paz e Bem

Desmanche de Celebridades disse... @ 18 de novembro de 2009 18:20

Seus escritos são sensoriais.....despertam vários sentidos ao mesmo tempo.

Abraços.

Kanauã Kaluanã disse... @ 18 de novembro de 2009 19:47

Muito criativo, Mai.

Quase uma receita-descritiva-narrativa!!!

E estás certa: cada um invente a sua!

Beijos.

Ricardo Valente disse... @ 18 de novembro de 2009 19:54

As coisas estão aí para serem provadas.
Vc deixou-me com água na boca... e outras!
Beijo, diabinha culinária! (hahaha)

Tatiane Trajano disse... @ 18 de novembro de 2009 20:34

Eu já estava com fome, agora então...
Sabores poéticos são os melhores!
Você mata minha fome de palavras, sabia!?

Beijo carinhoso

=*

paula barros disse... @ 18 de novembro de 2009 21:27

Putz!!!!!!!! É muito imaginação e criatividade que você tem. rsrs

E quando a manteiga começou a derreter, lá estava eu na sua cozinha...acho que devia ter ficado mais dias, até ver essa manteiga rebolar assim. rsrs

Mulher, eu ia até dizer puta que pariu, mas nem vou dizer puta que pariu porque não sou de falar palavrão, me lembrei rsrs


Que jogo de sentidos, de imaginação, de jogar o leitor para a cozinha e para a cama, e as mãos lá e cá, e cheiros ...você é simplesmente demais. Original mesmo.

beijos e abraços e admiração.

iaiá disse... @ 18 de novembro de 2009 23:12

e um viva! a todos os pecados da gula!

BAR DO BARDO disse... @ 19 de novembro de 2009 07:23

Todos os sabores & saberes...

Macaires disse... @ 19 de novembro de 2009 09:34

Mai, que delícia de texto, aguça sentidos, os melhores sentidos que temos! E a comparação com a cama, lençóis, nada mais instigante e sugestivo! Desperta fomes, fomes de sabor, fomes de prazer, que , quando não saciadas, nos corroem por dentro!

Me deliciei, amiga!
Enorme beijo!

Sr. Personna disse... @ 19 de novembro de 2009 12:04

Saboroso,
deveras saboroso!
Eroticamente saboroso.
Como a culinária pode ser tao sensual?

Rafael Castellar das Neves disse... @ 19 de novembro de 2009 14:03

Ai caramba...que vontade que deu!!

Você descreve muito bem e tem visões muito legais das coisas...essa, me deu vontade de comer, sendo que acabei de almoçar...rsrs

Muito bom!

Rafael

Lara Amaral disse... @ 19 de novembro de 2009 18:44

Vale a pena se abrir o apetite, não for picante demais e não cozinhar em banho-maria.

Seu poema teve o tempero certo.

Adorei!

Beijos, querida!

Nydia Bonetti disse... @ 19 de novembro de 2009 23:16

Gostei da receita, Mai.

Sabia que eu moro na "capital da truta"?! Muito apreciada por aqui:)

Beijo!

Guará Matos disse... @ 19 de novembro de 2009 23:20

E tudo isso numa boa compnhia....hummmmm!
Bjs.
_______
Leia também -> AFOGANDO O GANSO ENTERTAINMENT
http://jafogandooganso.wordpress.com/

Anônimo disse... @ 20 de novembro de 2009 00:58

necessario verificar:)

Beti Timm disse... @ 20 de novembro de 2009 01:44

menina, aindabem que por enquanto não estou de regime., Pq agora mesmo a 01:42 da madruga fui assaltar a geladeira atrás de um queijo qualquer!!

Esse texto é o inimigo nº um dos endocrinologistas!

Fiquei literalmente com água na boca.

Beijos saborosos

Ilaine disse... @ 20 de novembro de 2009 06:06

Receita-poesia! Receita Mai!
Escolher as palavras, as idéias e as imagens. Misturar os ingredientes com o tema sabores das línguas e bater com sensibilidade até formar uma massa-texto perfeita. Dosar com talento o ritmo e polvilhar com criatividade a música dos vocábulos. Adicionar uma pitadinha de sensualidade e servir com um punhado de bom gosto. Pronto deliciar o leitor.

Parabéns, menina escritora!
Beijo, daqui!

Andre Martin disse... @ 20 de novembro de 2009 13:10

Hummm... Soa deliciosos mesmo!
Adoriaria um dia provar do prato que você prepara!
Porque servido aqui já estou! rsss

E como sobremesa (ou sobrecama, como quiser), só faltou dizer do deleite de língua que sugere o doce beijo, aquele com gosto decafezinho, ao final.

Mai, ao ler o título, e pelo jeito com que escreve e brinca com as palavras, juro que pensei que o texto seria sobre os saberes do idioma! rssss

Fiquei um pouco frustrado, mas com água na boca! kkkkk

Katrina disse... @ 20 de novembro de 2009 18:43

depois dessa, minha cama, sua mesa, usahuasuhhaus

ORIGENS disse... @ 20 de novembro de 2009 23:26

Ótimo texto adorei. Boa semana para ti.

Zélia disse... @ 20 de novembro de 2009 23:30

Mai, eu tô morrennnnnnnnnndo de fome!!! Foi o cheiro que me trouxe aqui. kkkkkk Eu não vou ficar só na imaginação, não! Vou correr e me divertir na minha cozinha.

Bjo!

Mário Lopes disse... @ 21 de novembro de 2009 02:38

Não me importava nada de ser eu esse amor a tal mesa assim sentado. Da truta, não deixaria um niquinho que fosse para ninguém! Da cozinheira, não tiraria o olho, porque destas já não há! Só faltava que se enamorasse de mim, e era o homem mais feliz do mundo! Já viram melhor combinação que mulher, amor, comida e poesia?
Uma Mai tocada pelos anjos, é o que é...Que beleza de texto! De pôr a cabeça à roda!

Beijo guloso, cheio de carinho, para ti, grand-chef da poesia e da cozinha.

Betho disse... @ 21 de novembro de 2009 11:25

Não é dificil... extremamente fino e sensual...Menina vc não é fraca!
Bom final de semana
Forte abraço
Betho

Fernanda Magalhães disse... @ 21 de novembro de 2009 11:43

Que delicia Mai!

Adorei!

Bjos!

Jacinta Dantas disse... @ 21 de novembro de 2009 23:39

E imaginação é o que não falta quando se quer mais e mais prazer. Há um ritual sensual no seu texto que chega aqui aos meus ouvidos em notas musicais. Música, dança, boca...pura sensualidade e prazer.
Beijos

Cris Animal disse... @ 22 de novembro de 2009 12:33

Mai Querida, seu post lindo e incrível me lembrou um jornal da globo que tinha no horário do almoço, salvo eu, que sempre davam uma receita e era assim: as imagens eram em película de cinema, havia uma narração linda e a culinária virava arte e poesia. Lembra disso?
Nossa...
Seu post me fez viajar no tempo e realmente mostrou que um fogão pode ser poesia; afinal a vida toda é sempre poesia de toda uma vida.

Saudade de vc

beijos e beijos

Sam disse... @ 22 de novembro de 2009 22:00

Ahhh, que delícia!

E o cheiro que chega aguça o paladar dos sentidos, dos aromas, dos perfumes desse embalar seu de amores e sabores e não pq então... amores COM sabores! rs

Saudades daqui, beijos meu!

Obrigada pelo carinho sempre em suas palavras

cristinasiqueira disse... @ 23 de novembro de 2009 02:12

oi Mai

E quem resiste a um texto saboroso onde os ingredientes dançam,giram rebolam.Puro deleite mesmo!

Adorei.

Beijos,

Cris

Osvaldo disse... @ 23 de novembro de 2009 06:30

Mai;

Impossivel fazer melhor...
Impossivel derreter melhor...
Impossivel deslizar melhor...
Impossivel comer melhor...

Possivel refazer e remexer...
Possivel copiar, mas não igualar.

bjs, Mai,
Osvaldo

Fábio disse... @ 23 de novembro de 2009 14:37

Cozinhar nunca foi tão sexy, e eu pensando que o prazer estava só em comer. Agora só falta mostrar sensualidade também ao lavar a louça.

Abraços.

Ianê Mello disse... @ 27 de novembro de 2009 22:12

Mai

Que é isso, menina!

Que aula de culinária poética!

Tô doida pra fazer essa truta...hum

Me deliciei com seu texto.


Beijos

Ribeiro Pedreira disse... @ 3 de dezembro de 2009 12:41

Amores sobre a mesa sem sobremesa. Poesia na culinária é "Como água para chocolate"

Postar um comentário

 

Seguidores

Links Inspirados