Inspirar-Poesia, um segundo sopro

observatório do mundo

Por Sueli Maia (Mai) em 1/17/2010
Ouvia notas e lia signos tentando tocar a sinfonia. Sinfonias são como pedras preciosas e o que são os diamantes? Diamantes não existem no céu e o céu sem poesia, também não é azul. Os dias de inverno na arte poética têm sol de calor diferente e o inverno sem arte é frio e igual. Sonâncias poéticas vibram em todos os sons e modulam, variando os tons desse mundo e o mundo apoético não muda, não é alto ou baixo, alegre ou triste, claro ou escuro. Permanece no escuro como todos os últimos dias. Garimpos tem veios d’água e o garimpeiro sonha encontrar diamantes de dia e de noite e sonhando, alucina diamantes artificiais. Artifícios são usados para enfeitar fantasias onde as vezes se vê o que se quer ver e, do observatório do mundo se vê, que a emulsão da retina nos olhos brilhando, também são diamantes de água, na luz. Essa sinfonia foi escrita em entrelinhas e enquanto observava o mundo, eu fingia tocar diamantes...
.
.
Arte: V.Rubel

37 comentários:

Efigênia Coutinho disse... @ 14 de junho de 2009 21:44

observatório do mundo
É UM TEXTO POÉTICO MUITO BEM ESCRITO,PROFUNDO E FUNDO.
ADOREI.
DESEJANDO-LHE UMA SEMANA
FUTURECIDA!
Efigênia Coutinho

☆ Sandra C. disse... @ 14 de junho de 2009 22:07

mas existe sinfonia quando encontramos nosso próprio céu de diamantes...

p.s.: postei algo no Dixt::

boa semana!

tossan disse... @ 14 de junho de 2009 22:10

Do meu observatório do mundo se vê, que a emulsão da retina nos olhos brilhando, também são diamantes...Puxa vida, parece o Dauri, difícil, porém belo! Desta vez eu entendi, da minha forma de ver, é claro. Muito profundo! Beijo

M. Nilza disse... @ 14 de junho de 2009 22:39

Olá!!

Eu tbm sou observadora, mas muitas vezes gostaria de não ser.

Muito bom seu texto!!!
beijos e boa semana

Erica Maria disse... @ 14 de junho de 2009 22:55

Acho que tenho passado algumas noites nesse "observatório do mundo" viu Mai?

Tá lindo!

Bjos minha talentosa amiga!

Boa semana!

Osvaldo disse... @ 15 de junho de 2009 05:46

Oi, Mai;

Por alguma razão os diamantes, são eternos...

Todos nós somos garimpeiros de uma vida, onde procuramos denichar o mais belo diamante que guardaremos no cofre dos sentimentos. E quantos garimpeiros correm mundos em busca do diamante raro, quando a pedra rara e preciosa está logo ali ao virar da esquina !... não é?.

bjs, Mai
Osvaldo

Eurico disse... @ 15 de junho de 2009 08:51

Dizem que os diamentes são cristais matematicamante perfeitos;
que sua geometria é musical.
Mas eles também são pedras e
abrigam em seu ser, a harmonia e a dureza.
Também, somos assim, pedras sinfonicas,
pedras que cantam.
Pedras que observam pedras.
Pedras que garimpam pedras.

Essa busca da poesia que há na pedra nos faz crescer.
Nos aperfeiçoa, pela dureza.
Nos consolida, pela harmonia.
Pedra que somos, em direção da outra pedra, mítica,
a pedra alquímica,
pedra angular,
crística pedra,
a cristalina Pedra do Ser.

Germano Xavier disse... @ 15 de junho de 2009 09:48

Atmosfera orfeônica.

Um carinho, Mai.
Sigamos...

Priscila Lima disse... @ 15 de junho de 2009 10:51

uma sinfonia de equilibrio e sentimento.... lindo
Abraço
Priscila Lima.

Colibri disse... @ 15 de junho de 2009 15:08

OLá amiga,

Na sinfonia da vida, nem todas as notas se ouvem, nem todas estão escritas na pauta, e outras aparecem lá, mas não são música, tal como nem tudo o que reluz é ouro e diamantes também não...

Excelente texto !

Beijinhos

Colibri
--
Se você suporta emoções fortes, ouça o testemunho de vida deste homem que, no passado, cometeu todo o tipo de crimes e barbaridades e, hoje, é um ungido de Deus, devido à sua extraordinária transformação por Jesus Cristo. Segure-se bem e ouça... Depois não diga que não avisei… :-)

Testemunho fortísssimo do Ex-Bruxo Tio Chico...

Nuno de Sousa disse... @ 15 de junho de 2009 17:47

Lindo, mais um texto sublime e cheio de magia que nos sabes transmitir.
Bjs carinhosos em ti amiga,
Nuno

Rico Salles disse... @ 15 de junho de 2009 21:08

Olá, te indiquei lá no meu blog. Abraço!

Leo Mandoki, Jr. disse... @ 15 de junho de 2009 21:21

a vida não é linear...e os desencontros entre pessoas acontecem exatamente por isso..pq cada um de nós estabelece uma geometria propria para o rumo e o tempo da nossa vida...O coração do Homem deve ser forte para suportar os desencontros da vida
fica bem

Carlinhos do Amparo disse... @ 15 de junho de 2009 21:26

Vixe Maria! Vim te ler tb. Preocupado com a má digestão. Livros velhos tem fungos e podem fazer mal ao trato gastrintestinal.
Ando devorando tantos que nem sei como ainda tenho saúde.

Beijo grande.

Márcio Vandré disse... @ 16 de junho de 2009 00:10

A nota mais aguda do violino mostrou o quão descompensado ele ficara após o dia de ontem, quando o violinista foi ovacionado pela platéia, em torno de diamantes e euforia.
Ele sonha, sinceramente, ter algo tão colossal qualquer outro dia.
Nem que seja uma polvorosa breve.
Nós e o desejo do querer mais...

Lindo texto, Mai!
Parabéns!
Um fraterno beijo!

Menino-Homem disse... @ 16 de junho de 2009 00:17

ah Mai,
você tem toda razão.

o que seria dos amantes sem as noites de inverno? eles não irão se descobrir...!

e o que seria dos poetas sem as noites de escuridão? eles seriam doces demais!

adoro,
porque você é.

beijos muitos,
do Homem-quase-Menino

Mateus Araujo disse... @ 16 de junho de 2009 01:49

Coreliiiiiii
fiz um trabalho enorme sobre ele uma vez
*_*
Ele eh mara!
XD
E sua escrita também
Gênios são fodas
ksoaksak
AMUL
BJIM Mai♥

Jo Bittencourt disse... @ 16 de junho de 2009 13:43

Olá Mai,

belo texto, adorei a cadência q se forma no encadeamento das orações 5, 6 e 7.

grande beijo, linda!

Ka disse... @ 16 de junho de 2009 18:40

gostei do texto!
parabéns

Germano Xavier disse... @ 16 de junho de 2009 18:52

Ainda orfeu a olhar o vau na geografia destituída. Fita ele os argonautas?

Um carinho, Mai.
Sigamos...

Sam disse... @ 16 de junho de 2009 20:42

Eu tbm preciso de uma passagem pra esse observatório desse mundo seu.

Tocar diamantes e encontrar pérolas no céu, seja ele negro e salpicado de estrelas diamenates, seja azul azulzinho de um topázio, ou turquesa, qualquer coisa assim.

Obrigada querida pelo carinho lá em casa e pelos "dias felizes". Ando precisando, sabia?

Meu coração anda cheio de algo quer não consigo explicar e dizendo coisas que eu jamais pensei que diria.

Beijo carinhoso nessa sua alma de jóia rara!

Nade disse... @ 16 de junho de 2009 22:34

Boa Noite!
Adorei ver que você confirmou presença na Blogagem Coletiva - Minha Música, Meu Momento!
Fico honradíssima em tê-la parceira no dia 21 e já estou ansiosa em ler a sua história, em ver sua postagem.
Vai ser fantástico ler as experiências de vários amigos blogueiros sobre o tema proposto postadas em seus respectivos blogs no dia 21!
Só não esqueça de anunciar sua participação na Blogagem colando o selo na sidebar do seu blog...
Dia 21, estaremos em festa!
Grande beijo!

Orgulho de Ser

Café da Madrugada® Lipp & Van. disse... @ 17 de junho de 2009 00:12

O mais interessante é que cada um tem seu observatório, e todo mundo vê como quer ver... sonha como quer a realidade, e tem seus diamantes...

Rafael disse... @ 17 de junho de 2009 00:44

Oi, Mai!
Nossa, gostei muito da sua "análise" do meu texto!!
Bjs

Gilbamar disse... @ 17 de junho de 2009 01:13

E nessa observação quase cósmica o mundo se nos parece apenas como uma bola de futebol que podemos chutar na direção das galáxias. A poesia tem muitas portas e janelas.

Poético abraço.

Ilaine disse... @ 17 de junho de 2009 03:01

Mai!

Palavras como diamantes num texto melodioso e lindo, feito uma sinfonia.

Parabéns!
Beijo

Dauri Batisti disse... @ 17 de junho de 2009 07:54

Parece que você resolveu simplificar aqui o seu modo de escrever. Nenhuma palavra partida em duas. Nenhum recurso mais ousado. Só a beleza dos diamantes que você tão bem expõe em cada palavra.

Beijo.

Átila Siqueira. disse... @ 17 de junho de 2009 17:51

Nossa amiga, que texto mais lindo, eu me encantei com suas palavras, que me pareceram sinfonias dos Deuses.

Muito bom.

Obrigado por sua visita no meu blog. Adoro a sua presença.

Um grande abraço,
Átila Siqueira.

Elaine disse... @ 17 de junho de 2009 22:44

Olá!
Estou passando para conhecer seu blog um pouco melhor.
Sempre vejo seu link em outros blogs que visito e o nome deste seu cantinho atraiu a minha atenção.
Vi que você posta muitos poemas, né? Eu amo, acho que eles dizem tudo o que às vezes a prosa não consegue.
Beijos e fique com Deus.

Tata disse... @ 18 de junho de 2009 00:23

Nossa Mai.....

Que lindo!!!
Adorei isso:" Essa sinfonia foi escrita em entrelinhas e enquanto observava o mundo, eu fingia tocar diamantes..."

Vc tem o dom!
Escreve como poucos!
bjinhos

Letícia disse... @ 18 de junho de 2009 10:35

Você passa dois dias sem postar um texto e eu fico aqui pensando: Onde andará a Dona Mai?

Saudade.
Bjo.

si disse... @ 18 de junho de 2009 10:39

salve, querida mai, que a sinestesia de suas imagens, em que o som se metamorfoseia em diamante é texto-garimpo, ele mesmo diamantino, brilhando como utopia, o impossível crível, o possível incrível.
b
luis de la mancha...

* Bela* disse... @ 18 de junho de 2009 11:45

Enquanto observamos o mundo, observamos o que queremos observar...

Tudo é relativo, até o que se vê!
Eu posso te ver feliz e o cego, pode sentir a dor que tua alma tormenta em gemer.
(By Desireé)

Venha deixar seu brilho no meu glamour dos sentimentos e embeleze sua alma nesse dia!

Bjus =)

* Bela* disse... @ 18 de junho de 2009 11:45

Enquanto observamos o mundo, observamos o que queremos observar...

Tudo é relativo, até o que se vê!
Eu posso te ver feliz e o cego, pode sentir a dor que tua alma tormenta em gemer.
(By Desireé)

Venha deixar seu brilho no meu glamour dos sentimentos e embeleze sua alma nesse dia!

Bjus =)

Cris Animal disse... @ 18 de junho de 2009 12:10

Mai minha queridaaaaaaaaaaaaa....
Voltando aos blogs, mas começando pela leitura dos meus amigos....rs

Que coisa mais linda; como sempre são seus textos!

Diamantes acho que são certas palavras que ouvimos pela vida na hora certa de uma hora errada que estamos vivendo, são toques que sentimos quando tudo dói. São textos que lemos e que se transformam em diamantes ao nosso redor. Como os seus!

Diamantes são expressões de um amor!

Essa comparação que vc fez com o céu está linda demais. Garimpando sensibilidade e diamantes de amor, minha amiga!

beijo grandão

Multiolhares disse... @ 18 de junho de 2009 17:15

Sentindo os diamantes em bruto que palpitam no fundo do sentimento, muitos precisam de lapidar esses diamantes para pulsarem como uma estrela cintilante, e todos o podem fazer, mas... só alguns se sentem despertos para sentirem o cheiro das estrelas, e a sinfonia dourada que paira no ar

Namastê

Lara Amaral disse... @ 19 de janeiro de 2010 23:32

Observando o mundo, vi você
Que deixou tocar para mim
a música da sua verdade
de inspirar-poesia...
Sou-lhe grata a tudo!

Veja lá no meu blog.

Beijos!

Postar um comentário

 

Seguidores

Links Inspirados