Inspirar-Poesia, um segundo sopro

difusores no ar

Por Sueli Maia (Mai) em 12/05/2009
.
Pode ser! E agora estou aqui, encrespada e fervendo. E esta é uma onda sonora em difusão. Tudo bem, eu dancei, tô dançando. Mas agora estou numa balada qualquer e nessa frequência, em qualquer lugar que estejas, ouve essa música e vem dançar se quiseres também. Vem agitar com isso que usou e que bem abusou. Vai, larga tudo prá lá porque a vida é confusa mas difusa é essa tua tristeza que reverbera no tempo e no espaço e que só exacerba o cansaço de viver. Levanta! Porque obtuso é todo esse mundo entre o eu e o que não sei. Mas o sol também é sozinho e forte se ergue e se arregala todo dia e a cada dia raia em novo sorriso e em qualquer lugar do planeta há luz, novo dia, outro sol. Coragem! Deseja tudo de novo e outra vez e deseja qualquer coisa, mesmo que possa até nem conseguir, mas deseja! Porque afinal tudo na vida pode ser. Distorção entre graves e agudos e bem ali há uma palavra em desalinho que reflete esse silêncio dissonante. Se quase tudo pode ser é assim que eu danço, eu canto e deixo estar porque tudo pode ser. Mas... e se tudo aquilo for nada daquilo, porque e prá quê tanto frio doendo e os ossos quebrando assim? Porque esse nó na garganta? Eu poderia ter acostumado com tua ausência se a tua presença não fosse maior. Brincar com o impossível é isso. Porque o tempo corre e tudo corre enquanto muito ocorre e muito foge de nós. Há difusores buscando equilíbrio no desequilíbrio extremado. Há um quarto cheirando a lavanda e as paredes difundindo a gravidade ainda refletem bons sons equalizadamente. Mas não demora porque se tudo pode ser, pode até ser que amanhã eu nem esteja mais aqui, ou nem ai.
.

Música:
NSync - happy holidays, Tom Jobim, Zimbo Trio - chovendo na roseira
Chris Rea - driving home - Debussy - Reverie






32 comentários:

Multiolhares disse... @ 5 de dezembro de 2009 18:54

Penso que cada vez mais é só "desejar" que nos sobra desta vida decepada de sentimentos,os sonhos também, mas não passam disso mesmo , de sonhos
Beijinhos

Marcelo Mayer disse... @ 5 de dezembro de 2009 19:11

quanto menos eu desejar, mais feliz fico. nao é papo de hippie hehee... é questao de me livrar das frustrações mesmo.

muito bom

☆ Sandra C. disse... @ 5 de dezembro de 2009 19:26

Mas não demora porque se tudo pode ser, pode até ser que amanhã eu nem esteja mais aqui, ou nem ai.

adorei. de veritas!

eu não sei se vc conhece a fórmula de como não criar expectativas. conhece? então me dá um pouquinho, tô precisando!

walter disse... @ 5 de dezembro de 2009 20:02

Obrigada amiga por seu gentil comentário... minha cidade merece que se fale dela...
Já estava seguindo seu blog, mas agora faço-o de forma pública.
Parabéns por sua apaixonada escrita... onde me vou perder (com gosto), sempre que dela minha alma precisar...
Beijo

Mikaele Tavares disse... @ 5 de dezembro de 2009 20:52

Que massa esse texto..
Ele me fez lembrar de alguém =/
Mas, expressou, em certas partes, coisas que sinto..
Queria que essa pessoa soubesse,mas há outras coisas em questões..
Valeu!
É sempre bom passar no teu blog e ler seus lindos textos...
Beijos

Germano Xavier disse... @ 5 de dezembro de 2009 21:34

Como diria o Canales...

Plac, plac, plac.

Continuemos, Mai.

J. disse... @ 5 de dezembro de 2009 21:55

Enquanto dançares, ainda que sem ouvir os ritmos da canção, a vida pulsa em ti. Bonita.

Bom te ter no meu canto outra vez.
Bom ler-te de novo.

Beijo, dear.

Nydia Bonetti disse... @ 5 de dezembro de 2009 21:55

Gosto muito de te ler Mai. Teus textos me passam sempre uma visão otimista sobre a vida. Me faz tão bem... :)

Beijos, bom domingo!

tony disse... @ 6 de dezembro de 2009 01:27

Hi, it's a very great blog.
I could tell how much efforts you've taken on it.
Keep doing!
mp3 download

Kanauã Kaluanã disse... @ 6 de dezembro de 2009 07:54

Mai,

Como disse o Guimarães Rosa, a vida "afina e desafina", mas é preciso escutar a música com o corpo, mesmo quando dói.
Então, vejo o eu-lírico como que numa caixinha de música: bailarina em uma perna só, mas que consegue o equilíbrio de ser em Dó Maior que ela.

Imenso abraço.

Um domingo verde e lindo para ti.

Katyuscia.

D i c a disse... @ 6 de dezembro de 2009 09:33

Ler você é o mesmo que conversar com meu EU. Muito bonita composição de palavras, como sempre.

Márcio Diemer disse... @ 6 de dezembro de 2009 10:18

Ai Mai...Valeu pelos comentários, se 10% das pessoas tivessem tua inteligencia e sensibilidade o mundo ia ser um lugar melhor!!! Um forte abraço!

Assis Freitas disse... @ 6 de dezembro de 2009 10:29

Seu texto me remeteu a um poema de Chacal que diz: "Vai ter uma festa em que vou dançar/até os sapatos pedirem para eu parar/aí eu paro tiro os sapatos/e danço o resto da vida." Tudo pode ser, sim. Basta quereres e o desejo é a força que move. Domingo de luz para ti.

Caio Fernandes disse... @ 6 de dezembro de 2009 11:59

Ola difusora de vida .
todos os movimentos avante !!!

Desmanche de Celebridades disse... @ 6 de dezembro de 2009 13:24

Perfeito!
Esse foi um dos melhores textos que já li aqui.
Fico impressionado com a sua escrita, ela é unica, singular, não adianta procurar nada igual ou sequer parecido.
Não são só palavras, é imagem-movimento. Eu vejo, sinto, tenho sensações, quando leio esse blog.

Abraço.

Fernanda Magalhães disse... @ 6 de dezembro de 2009 14:53

Seus textos despertam cheiros, toques, calor, sabores. È tudo muito intimo, saca?

Continue escrevendo, sou tua fã!

Bjos

José Carlos Brandão disse... @ 6 de dezembro de 2009 14:54

O sol também se levanta.
Na dissonância da vida, no desalinho do mundo,
Na ausência de tudo, até de nós mesmos,
colhe os frutos dourados do dia, com os lábiso repletos de agradecimento.

Bom domingo, Mai. Um beijo.

Lara Amaral disse... @ 6 de dezembro de 2009 17:10

Pode ser que a dança de ontem tenha movimentado minha alma e que nem por um segundo pensei em meus problemas, ou nossos... pode até ser que vc não tenha ligado quando algum outro dançou comigo e eu me entreguei, como se fosse bailarina ensaiando sozinha no teatro... poderia ser, se naquela noite vc não tivesse bebido e me vomitado toda a sua, ou nossa, angústia.

Versinhos a partir dos seus, minha amiga amada.

Beijos e boa semana!

Cris Animal disse... @ 6 de dezembro de 2009 19:44

Isso me faz lembrar: amanhã, não mais.
Só existe o hoje !

beijo pra vc !

Mari Amorim disse... @ 6 de dezembro de 2009 21:43

Mai,
como sempre é maravilhoso vir aqui,e sair mais rica no meu aprendizado
Grande beijo
Mari

NDORETTO disse... @ 6 de dezembro de 2009 23:00

Rsrsrsr.....eu vicio o leitor e você libera!!!!!! Amei sua visita. Retribuo difundindo seu texto!!! Esse de loucura boa!!!! Olhe, quero que visite o
http://semeandopalavras.zip.net

da KNazer_ ela é uma delícia também, assim como você!
bjs
neusa

Lisa Alves disse... @ 6 de dezembro de 2009 23:11

"e se tudo aquilo for nada daquilo, porque e prá quê tanto frio doendo e os ossos quebrando assim?"

A incerteza do que sentimos é uma prova de experiências. Alguma coisa que já foi, não é mais.

Carissima, mandei-lhe um e-mail fazendo-lhe um convite. abraços

Genny Xavier disse... @ 6 de dezembro de 2009 23:19

Mai,
A palavra as vezes é puro desvario...mergulho e vôo...inspiração e transpiração...
Parabéns pelo texto.
Agradeço pela visita em meu blog, retorne sempre...é bom sintonizar forças poéticas.
Beijos.
Genny Xavier

NDORETTO disse... @ 6 de dezembro de 2009 23:21

Muito bom, muito!! Já passei seu blog para duas amigas, amei!!!!!

Mirse Maria disse... @ 7 de dezembro de 2009 06:11

Mai,

Seus difusores potentes chegaram até mim. Ainda não dá para dansar, mas sua força e a coragem que passa, vibra em qualquer ser.

Parabéns, amiga!

Beijos

Mirse

(em lento retorno)

Barbara disse... @ 7 de dezembro de 2009 08:47

Inspiremo-nos mais nas lavandas do que nas pessoas.
É triste isso mas as lavandas cumprem seus destinos como devem.
Qto as pessoas...nunca sei, nunca sabemos. Se cumprem ou se fogem , questão da coragem pessoal de cada um ou de viver o destino ou de inventar um destino - o trabalho é o mesmo.

Saulo Nunes disse... @ 7 de dezembro de 2009 09:58

oi amiga! é sim João Bosco é gigante adoro por dmais!
e qando a Elis canta as musicas dele nossa...!!!!kkk

mas viu axei um site legau com tags ai vou procurar as musicas q vc qeria e depois te passo o link =)

beijo na alma!

Eurico disse... @ 7 de dezembro de 2009 18:44

Um grande beijo na alma, no coração!
Estou sempre lembrando das tuas palavras encorajadoras. VC me ajudou na travessia deste 2009. Grato e muita paz pra ti pros teus!!!

Zélia disse... @ 7 de dezembro de 2009 21:41

"Mas não demora porque se tudo pode ser, pode até ser que amanhã eu nem esteja mais aqui, ou nem ai."

kkkkkkkkk Perfeito! Nada de ficarmos nos prendendo a pormenores. Hoje, eu senti: a vida é mesmo curta (para quem não a curte)...

Ei! Adoro quando vc passei por lá só para me v(l)er de novo mesmo que não haja nada novo. É bom saber que vc pode esticar a mão e alguém vai segurá-la.

Grande bj!

PS:Perdoa se não sigo todos os teus passos, tá? Mas o importante é que as pegadas que me trouxeram aqui continuam firmes no chão e me ajudam a voltar. ;)

Tata disse... @ 7 de dezembro de 2009 22:32

Mai,

Vc é Master!

Muito bom como sempre!

bjinhos

Wania disse... @ 8 de dezembro de 2009 07:50

Mai querida

“A vida é um onde sonora em difusão e a tristeza reverbera longe...
Há difusores buscando equilíbrio no desequilíbrio extremado”.


Por isso, sintonizar nos sons mais afinados nos leva mais longe... e achar o perfeito equilibrio entre os graves e os agudos, harmoniza a nossa “melodia” vital!

Sábia palavras, liiiido teu texto!
Bj carinhoso pra ti,
Wania

Reflexo d Alma disse... @ 9 de dezembro de 2009 19:55

Ei!
Chegando pra conhecer e ja
encantada com a
força da escrita...
Vou me deliciar mais e depois volto pra comentar
com calma.
Se passar no meu blog vou amar.

Bjins entre sonhos e delírios

Postar um comentário

 

Seguidores

Links Inspirados