Inspirar-Poesia, um segundo sopro

Prelúdio de Outono...

Por Sueli Maia (Mai) em 3/11/2009
.
.
Urgências do tempo e o outono nascendo. Na pressa do traço, o descompasso e a palavra inclemente. Sacrificio da amizade, equívoco do amor, trocados, miúdos venenos... Na vertigem da leitura a insistência da palavra. Teimosia do silêncio e a distância corrosiva do verbo que é ácido. Cantos de Outono, romance do efêmero na face. Mistérios da palavra e entre as pedras, as folhas que caem no tempo e ao vento, na vida que está. Sob os pés sons de folhas do outono, tua ausência e o vazio. Via crucis de um amor perdulário e secreto. Calvário dolente no enlace das letras. Desenlace companheiro no prelúdio do outono, na falta que é. Urgências do tempo e o outono nascendo outra vez...
.
Imagem Google
Música: Wolfgang Amadeus Mozart - Ave Verum Corpus

21 comentários:

FERNANDA & POEMAS disse... @ 11 de março de 2009 13:01

QUERIDA MAI, BELO TEXTO/POÉTICO... SIMPLESMENTE SUBLIME... AMIGA DEIXO-TE UM GRANDE ABRAÇO DE CARINHO,
FERNANDINHA

Alma Nua disse... @ 11 de março de 2009 14:34

...boa tarde, lindeza!

como o prenúncio de outono
nos inspira a belas reflexões,
não?

poemar nos embalos de outono
só poderia dar nesta maravilha
que leio aqui.

bjus na alma

Átila Siqueira. disse... @ 11 de março de 2009 15:17

Amei o texto, cheio de existencialismo, assim como tudo o que você sempre escreve.

Um grande abraço,
Átila Siqueira.

A Senhora disse... @ 11 de março de 2009 16:21

E quando chega o nosso próprio outono... o verbo um tantinho mais ácido... sons de folhas...e a ausência.
Lindo, dolorido, e... tão natural.

bjs

Cris Animal disse... @ 11 de março de 2009 17:09

E nas voltas dessas folhas que caem, desse outono que sempre chega e ainda bem que chega, há sempre espaço para recordar outros...outros outonos onde o vento não incomodava tanto e o barulho das folhas eram assim: poesia pura, linda, nascida de um leve toque de outono......rs
Que os amores sejam todas as estações!
beijo pra vc
...............Cris Animal

Márcio Ahimsa disse... @ 11 de março de 2009 18:31

Mai, eu quero um outono, desses que caem pela tarde e vão dar num fim de noite, pelos prefácios da primavera. Eu quero um interlúdio, um lúdico e fantástico modo de viver, através da mornez das palavras, quem me caem como um crepúsculo abatem suas sobras vermelhas em mim, finito medo do escuro, donde me vejo seguro como uma ninfa de marimbondo, esperando minhas asas crescerem para virar joão de barro, e desenhar casinhas pelos telhados antigos, e castigar a esperança com coisas velhas, meus rumores do passado, minhas dores do agora, frutos de outono, sendo meus estigmas, meu calvário.

Beijos, querida.

Mateus Araujo disse... @ 11 de março de 2009 20:58

Que coisa linda Este lugaR!!!!!!


Mai, vc também gosta de mozart?!?!
*_*
ki lindo!

essa música tipo, é minha alma
num tens noção da emoção ki sinto com ela
por isso eu postei
é tão profundo...
eu cantava ela no coral
minha mãe é bem religiosa ...ela tem uns cds de música sacra aqui ...eu quería postar a que tem no cd dela prq essa do you tube está ruim a gravação =/
maix td beim
:)
o Seu texto ficou perfeitão
vc tem livros Mai?
eu queroooooooo ummmmm
skaoskaoks
*_*

Bjo
>>♥

Mateus Araujo disse... @ 11 de março de 2009 21:00

aHHHh ontem foi meu concerto ...junto com um grande violonista Rafael Heyji
aHH ow
foi muito feliz
até ganhei chocolate da dona do conservatóriuu
sakoskasaosk

*_*

to moh bem :)

BJo♥
TEdolU

tossan disse... @ 11 de março de 2009 22:01

Hoje vc está parecendo a Vivian do in-foco, me faz pensar. Lindo! Beijo

Patrícia Lage disse... @ 11 de março de 2009 22:41

Mai, querida
De algumas coisas eu me reservo o direito pleno de sentir, entende? E aí, essas coisas corriqueiras que escrevo, inevitavelmente, possuem a forma desses meus sentires todos. Quando leio teus comentários, teus recados, meu coração pula de tal forma que eu mal consigo distinguir todos os sentimentos que me acometem. E saiba: são os melhores.

Sobre o teu texto,
Belíssimo!
Fiquei tão emocionada... E me fez pensar sobre a incrível necessidade das estações, dos ciclos que se iniciam e se fecham. Não importa que o Outono possa representar o fim; ele sempre será o tempo das colheitas.

Meu beijo e meu carinho de todo sempre pra você.

FRAN "O Samurai" disse... @ 11 de março de 2009 23:43

Oi amiga!

Belas palavras "de outono"...

Apenas aprecie as folhas secas ao cair das árvores, o mudar do tempo e a sensação aconchegante do outono, pois ele é mágico e sempre nos presenteia com momentos agradáveis... seja sozinha ou com alguém ao lado.

Beijos minha amiga!

Paulo disse... @ 12 de março de 2009 00:01

Olá Mai,

Lindo, ao absorvê-lo me veio
a cancão Autumn Leaves (com Diana),
renascimentos...

Beijos querida!

Van disse... @ 12 de março de 2009 01:32

Que perfeito Mai.
Ou eu que estou muito senspivel e chorona mesmo...
:/
Mas é lindo!
"sacrificio da amizade, equívoco do amor, trocados, miúdos venenos..."

algo assim acontece cmg.
ja nao sei o q fazer.



http://xcafedamadrugadax.blogspot.com

Léo Mandoki, Jr. disse... @ 12 de março de 2009 06:46

...eu que já morei em alguns países aprendi a relativizar o tempo e a vida em geral. Por exemplo, aí no Brasil qnd chegar o Outono, aqui na Europa vai entrar a Primavera. Ou seja, num hemisfério teremos folhas velhas caídas ao chão, num outro hemisfério teremos o nascimento de novas folhas e flores...para mim será um período de renascimento e para ti será (talvez) o de renovação após uma hibernação. Tu escreves terminando o Verão e eu te leio no fim do Inverno. Nada é absoluto na vida, não achas?

manu disse... @ 12 de março de 2009 07:50

Eu amooo o outono... minha estação preferida!

Beijinhos Mai...

Liene disse... @ 12 de março de 2009 08:17

Um texto tocante. Me faz refletir sobre as inconstâncias do ser humano.
Um abraço

Cecília disse... @ 12 de março de 2009 10:24

Lindo texto!
Sublime!!!

Beijosss

Sam disse... @ 12 de março de 2009 12:48

"Agora amor, eu queria morar no interior do meu outono"

Beijos carinhosos minha querida!

Sam disse... @ 12 de março de 2009 14:27

Pra Você...

"Vai passar, tu sabes que vai passar. Talvez não amanhã, mas dentro de uma semana, um mês ou dois, quem sabe? O verão está aí, haverá sol quase todos os dias, e sempre resta essa coisa chamada 'impulso vital'. Pois esse impulso ás vezes cruel, porque não permite que nenhuma dor insista por muito tempo, te empurrará quem sabe para o sol, para o mar, para uma nova estrada qualquer e, de repente, no meio de uma frase ou de um movimento te surpreenderás pensando algo assim como 'estou contente outra vez' " (C.F.A.)

Quando li esse trecho, pensei em você minha querida, pois lembro-me de que se sentia tristinha.
Espero que teu sorriso lindo que infelizmente não vejo, mas felizmente o sinto, esteja assim como primavera em quase pleno outono.

Abraços, flores e estrelas...

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse... @ 12 de março de 2009 16:16

Adorei!

Multiolhares disse... @ 12 de março de 2009 18:41

O Outono também passa, como tudo na vida acaba por passar, como as folhas amarelas levadas pelo vento, e as estações do ano são a melhor forma de vermos os fins e os começos, nada é permanente
beijinhos

Postar um comentário

 

Seguidores

Links Inspirados